Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
Rebobinando um velho filme
Por: JOSE ROBERTO TAKEO ICHIHARA

Por que só acertam nos pobres?


O que a esperada vitória do presidente Temer, denunciado em esquemas de corrupção e obstrução da Justiça, na Câmara de Deputados, provocou na decepcionada sociedade brasileira que quer o fim da corrupção? Indignação? Certeza absoluta de que ele seria absolvido porque comprou os votos dos indecisos? O fato é que logo após o resultado ser divulgado ele, que estava com graves problemas de saúde, apareceu confiante e sorridente dizendo que a verdade venceu. Para os inconformados, a verdade é que ele e alguns deputados são uns canalhas. Então...
Até uma dancinha foi mostrada pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS) ao som de “Tudo está no seu lugar”, se vangloriando de surrar mais uma vez a oposição. Apesar do gesto ofensivo para quem sabia que os golpistas continuam trabalhando para consolidar o plano arquitetado, muitos se sentiram humilhados e impotentes. Para relembrar, a deputada petista Angela Guadagnin (PT-SP) também dançou, em 2006, quando o colega João Magno (PT-MG) foi absolvido no processo do Mensalão. Como resposta ela perdeu as eleições para vereadora.
Há uma forte corrente apoiando o rejeitado presidente Temer. Agora a manobra é desqualificar as reputações dos irmãos Batista (Joesley e Wesley) perante a opinião pública. De empresários bem-sucedidos, eles passaram a bandidos indesejáveis no cenário nacional. Aproveitadores da inocência de um homem 100% honesto, segundo o deputado Paulo Maluf. Mas por que pessoas tão nocivas foram recebidas por alguém acima de qualquer suspeita, num local privado e em horário inexplicável? Essa dúvida é que intriga... Pela falta de convicção. Por que?
Nessas horas o eleitor e contribuinte vê que o seu poder através do voto não tem alcance depois das eleições. As armas dos inatingíveis, que pintam e bordam com os recursos e com as leis, são poderosas e estão muito além da insignificante possibilidade de mudar tudo isso que está aí. É aquela velha tática que os grupos que mandam e desmandam sempre usaram – e sempre funcionou. Bate lá na frente e deixa que eu aparo aqui no último recurso. Tem como vencer isso? Qual é a instituição que se coloca ao lado do povo nisso? Portanto, o mato sem cachorro existe!
Mas dando prosseguimento ao plano de leiloar o país e entregar as riquezas estratégicas ao capital internacional, a sanha não para. Trabalhadores sob controle, Três Poderes cada vez mais invulneráveis, privatização de educação e saúde (vide liberdade para os planos de saúde sufocar os usuários), empresários como queriam. Sem ninguém para atrapalhar o desejo dos neoliberais, só se pode dizer que “tá tudo dominado”! Jovens engenheiros recém-formados encontrarão um mercado de trabalho restrito e com ofertas humilhantes. Era isso que queriam?
Curiosamente a mídia e a equipe econômica do governo veem uma recuperação satisfatória no dia a dia do país. Divulgam índices de desemprego animadores, queda de juros, crescimento na produção industrial e tudo mais. Será aquela velha técnica de mostrar que o país vai muito bem, mas o povo está na UTI? Para os endinheirados, claro, tanto faz ter mais pobres. Eles não dependem disso! Vivem dos juros dos juros porque são rentistas. E ainda pagam menos impostos, proporcionalmente, que os simples mortais da ralé. Importa se a aprovação é de 3%?
Infelizmente para quem não tem outra alternativa a não ser viver por aqui, a preocupação quanto ao futuro é enorme. Como sobreviver diante de tanta imposição goela abaixo? Que garantias tranquilizarão as pessoas? O que vai sobrar como obrigação do governo perante a sociedade? Tem como bancar tudo privatizado sem emprego e renda? Muitos ficam apreensivos quanto a aposentadoria. Será que todo país obriga a população a ter duas contribuições previdenciárias, uma pública e outra privada, para ter uma velhice digna? Alguém já viu este filme?


J R Ichihara
28/10/2017

Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: IJbL (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.