Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

ALESSANDRA LELES ROCHA
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Jornalismo
 
(In) dependência
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA




Independência. Esse é o tema do dia, referindo-se ao fato histórico nacional ocorrido em 1822. No entanto, falar de independência na atual conjuntura parece um tanto quanto irônico se pensarmos bem. Afinal, essa palavra que exprime um dos mais importantes sentimentos humanos, que traz à tona a liberdade, a autonomia para agir e decidir, rejeitando qualquer mecanismo de sujeição ou interferência, parece totalmente discordante das práticas sociais vigentes.
Mesmo lá, no século XIX, precisamos ser críticos sobre o assunto. A independência da metrópole portuguesa nos tirou da condição de colônia; mas, não necessariamente nos deu a autossuficiência política e econômica para consolidar um desenvolvimento pleno e satisfatório das potencialidades nacionais. Independência comprada a preço de ouro pode ser, de fato, assim considerada? De lá para cá estivemos por um bom tempo com pires nas mãos, aguardando benesses de outras potências mundiais, pagando os quinhões de parcos minutos de visibilidade e empréstimos.
Mas, pior do que enxergar a situação pela superficialidade desse prisma é admitir que a fragilidade da nossa independência foi fruto daquilo que nos têm impactado drasticamente há séculos, ou seja, a corrupção. Lamentavelmente, para que as relações sociais se desenvolvessem foram estabelecidos princípios de obtenção de vantagens por meios ilegais ou ilícitos, ou vulgarmente conhecidos como “toma lá da cá”.
Com essa práxis, a individualidade social cedeu espaço a um atrelamento escuso de interesses e a independência, portanto, nunca existiu. Tudo dependeu de alguém, ou de alguma coisa; na verdade, o que se chama burocracia tornou-se um disfarce para proteger os processos de dependência que teimam em imobilizar o fluxo natural do desenvolvimento e do progresso no país. Assim, a falta de independência faz a população refém da expansão de suas piores mazelas.
Sem que ela vigore, o cidadão sente na pele um cotidiano de esperas. Espera por uma educação de qualidade. Espera por uma saúde publica que satisfaça as suas necessidades. Espera por uma segurança que lhe retire dos ombros o peso da inquietude diária. Isso significa que a falta de independência não faz mais do que esfacelar a sociedade, na medida em que cada grupo precisa sair em defesa dos seus direitos. Dependentes da atenção e da ação dos governantes, eles se tornam cada vez mais fracos, esquecidos e obrigados a esperar... Espera... Espera... Espera... Brava gente brasileira.
Talvez, muitos, sem se darem conta da contribuição displicente às teias que seguram esses longos anos de dependência. Da velha política do voto de cabresto às trocas de favores contemporâneas, as corrupções institucionalizadas (ou não) são teares importantes na fiação dessa trama paralisante. Portanto, pouco importa à justificativa, se digna ou indigna; o fim jamais justifica os meios porque o preço em longo prazo é sempre muito alto. Cada dia mais isso fica claro.
Então, no fundo não há o que celebrar. Esse feriado é só mais um sem sentido. A tal independência ocorrida em 1822 não nos transformou em nação; permanecemos um país, cuja fragilidade de princípios, de ideais, de sonhos continua se manifestando na dependência de quais vozes se erguem para apontar o caminho a seguir. Continuamos pagadores de quintos1 cada vez mais expressivos. Continuamos cada vez mais subservientes aos delírios da corte. Continuamos miseráveis extasiados com pão e circo. Continuamos a sonhar com uma liberdade que jamais virá se não tivermos consciência do valor da independência contida na essência de nossa própria alma.


1 O Quinto era um direito cobrado pela Coroa portuguesa sobre o ouro encontrado em suas colônias. Correspondia a 20% do metal extraído e sua forma de cobrança variou conforme a época e as regiões. Uma das mais conhecidas formas ocorria mediante a obtenção de "certificados de recolhimento" pelas casas de fundição.

Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: UFFO (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.