A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 
Jornalismo
 
De Judas Iscariotes aos dias atuais
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA




Não consigo acreditar que depois de todos os acontecimentos e desdobramentos pós Mensalão e Lava Jato, algum cidadão brasileiro consiga dissociar a bancarrota nacional da corrupção.
Ora, essa práxis secular de se obter vantagens em relação aos que detêm o poder, por meios ilegais ou ilícitos, vem dilapidando os recursos públicos oriundos de nossos impostos e tributos.
Que fique claro, portanto, que a corrupção é prática humana e, por aqui, em solo tupiniquim, esteve reverenciada por muitas bandeiras, muitas ideologias; daí não se poder atirar pedras e elencar culpados em uma única direção.
Mas o ponto nevrálgico dessa questão é que o esvaziamento de recursos públicos para satisfazer a fome insaciável da corrupção nacional extingue toda e qualquer potencialidade de desenvolvimento e progresso. Vejam o exemplo das universidades públicas, de seus hospitais universitários, de suas pesquisas!
Para cobrir os rombos da corrupção a saída historicamente foi sempre a mesma: contingenciamento e corte de recursos e criação e aumento de impostos. É evidente que são os serviços essenciais à sociedade os que padecerão o estrangulamento de seus orçamentos, tendo como consequência imediata à desassistência da população. Só que a população faz a sua parte, ela paga impostos para ver revertidos esses recursos em seu benefício; mas, na prática da corrupção isso não acontece.
Além disso, essa perene retirada de água do barco com o auxílio de um dedal, porque é exatamente isso que significam as medidas citadas acima, fomenta a incredulidade mundial em relação ao país. Não há como crer em mudanças efetivas sem “cortar o mal pela raiz”. Enquanto existe uma corrupção sistêmica sangrando os recursos nacionais, não há economia que se equilibre ou se sustente.
Por que, então, fingimos não ver a corrupção se esgueirando daqui e dali para manter as aparências de uma pseudo estabilidade econômica? A economia patina sem sair efetivamente do lugar, a ponto de se tornar necessário arrochar os cintos e aumentar impostos. Os desempregados proliferam-se nas estatísticas nacionais. Tudo parece suspenso no ar e prestes a se desintegrar na vida de milhões de brasileiros, contradizendo qualquer onda de vã otimismo que tenta ser impressa.
Então, a quem queremos enganar com o velho discurso de que “os fins justificam os meios”? Dizia Martin Luther King Jr., “Para ter inimigos, não precisa declarar guerras, apenas diga o que pensa”; talvez, por isso, muitos aqui no Brasil optam pela politicagem da boa vizinhança e distribuem benesses e agrados para manter a simpatia. Mas esse é só um jeito diferente de praticar a corrupção, não é mesmo?
Como se vê o que estamos vivendo é de uma complexidade tal que parece incontrolável. A corrupção tornou-se uma compulsão, um comportamento desmedido. Grandes corrupções. Pequenas corrupções. No fim das contas, apenas corrupção. Apenas um modo de ser antissocial, antiprodutivo, antiético; mas, que uma grande maioria prefere não admitir a total adoração. Aliás, porque admitir significaria ter que tomar uma atitude a respeito e esse agir parece penoso, desconfortável, pesado demais.
Mas, um dia o caldo entorna. Há situações que não esperam por nós, por nossa boa vontade, por nosso bom senso. A própria conjuntura dá o seu jeito. Talvez, estejamos perto disso; afinal de contas, a espoliação dos direitos fundamentais, previstos na Constituição de 1988, torna-se cada dia mais insustentável e já atinge camadas da população, as quais se sentiam de certa forma inatingíveis. Assim, eis que, de repente, possamos nesse dia metamórfico alcançar as palavras de Santo Agostinho, “Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me elogiam, porque me corrompem”. Que assim seja.

Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: VXOB (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.