A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 
Jornalismo
 
SER, NÃO SER E TODAS AS NOSSAS REVOLUÇÕES
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA




Já alcançamos a 4ª Revolução Industrial 1, mas não a liberdade existencial que reside na satisfação dos pequenos e mais simples gestos, na paz, nas gotas de felicidade que salpicam sobre nosso amanhecer e anoitecer.
Os avanços, as transformações, de fato atingiram diretamente o nosso modo de ser, pensar e agir; mas, não o suficiente para alcançar aquilo que vai além dos meandros do inconsciente e das emoções. Ao contrário do que tentam fazê-lo acreditar, o incômodo não está no outro, está em você mesmo.
Vejamos, por exemplo, a obsessão de milhares de pessoas em transformar a própria vida em reality show. Quem é pleno de si, vive sereno diante dos altos e baixos do cotidiano, encara a vida de peito aberto, surfando as ondas que o dia aprouver, não sofre a fissura de precisar expor a intimidade, como uma banca de frutas na feira, não é mesmo?
As redes sociais estão cheias de histórias nada reais, retocadas de acessórios fictícios, para vender uma felicidade, que nem os melhores comerciais de margarina conseguiriam. Enquanto transbordam seus excessos de sucesso, de riqueza, de luxo e afins, esses seres humanos (porque embora não pareçam, continuam sendo humanos) transitam entre o autoconvencimento e a competição com os outros.
Na mesma proporção que colecionam cartões de crédito, sua autoafirmação social se exibe ainda mais através da internet, onde são fieis frequentadores. Nesse mundo de ostentação e glória se dividem entre alimentarem a curiosidade alheia e bisbilhotarem o restante. O que antes fazia parte do universo das personalidades de revistas de fofocas, agora é parte do cotidiano do cidadão comum, nada glamoroso.
Enquanto se esquece de SER, a humanidade só se preocupa em TER. Em longo prazo uma frustração generalizada toma de assalto o bem estar e a autoestima dos indivíduos, de modo que eles passam a se agredir ou a agredir os demais. A necessidade em ser o “top trend” da vez, ou bater os recordes de “curtidas”, ou verificar a inveja despertada através dos comentários de seus posts, são alguns dos sinais visíveis de uma patologia comportamental que se instalou na sociedade moderna.
Recordando o trabalho do sociólogo polonês, Zygmunt Bauman, sobre a Identidade no Mundo Globalizado, a ansiedade e a audácia, o medo e a coragem, o desespero e a esperança nascem juntos, mas é a proporção na qual elas se misturam é que depende dos recursos de posse de cada um; e a modernidade é especialista em transformar uma coisa em outra e essa capacidade presente nos seres humanos os fez compreender que poderiam “realizar sem limites”, de acordo com a própria vontade.
Assim, Bauman coloca a individualização na transformação da identidade humana a partir do que é ‘dado’ em uma ‘tarefa’, ou seja, a modernidade substitui a determinação de um padrão social por uma autodeterminação compulsiva e obrigatória. Para ele, o problema da identidade para homens e mulheres não é tanto como obter as identidades de suas escolhas, mas com tê-las reconhecidas pelas pessoas ao redor; então, como fazer a melhor escolha? Cria-se um círculo vicioso. Há uma dificuldade do ser humano em resistir à tamanha tentação, que ao mesmo tempo em que aparenta a conquista de poder e triunfo, gera frustração, medo e ansiedade.
Enquanto o ser humano se deixa engolir pela própria criação, preocupado exacerbadamente com a imagem a qual o mundo faz dele e a dele em relação ao mundo, a vida é dilapidada. Pessoas estão morrendo. O planeta está se esfacelando. As relações humanas estão se deteriorando. As riquezas estão se perdendo... Compramos a ideia da Revolução Industrial sem ler as letras miúdas do rodapé. Resistir aos apelos dessa realidade é, portanto, o grande desafio. Como escreveu William Shakespeare, no Ato III, Cena I, de Hamlet:
Ser ou não ser, eis a questão: será mais nobre
Em nosso espírito sofrer pedras e flechas
Com que a Fortuna, enfurecida, nos alveja,
Ou insurgir-nos contra um mar de provocações
E em luta pôr-lhes fim? Morrer... Dormir: não mais.
Dizer que rematamos com um sono a angústia
E as mil pelejas naturais-herança do homem:
Morrer para dormir... é uma consumação
Que bem merece e desejamos com fervor.
Dormir... Talvez sonhar: eis onde surge o obstáculo:
Pois quando livres do tumulto da existência,
No repouso da morte o sonho que tenhamos
Devem fazer-nos hesitar: eis a suspeita
Que impõe tão longa vida aos nossos infortúnios.
Quem sofreria os relhos e a irrisão do mundo,
O agravo do opressor, a afronta do orgulhoso,
Toda a lancinação do mal prezado amor,
A insolência oficial, as dilações da lei,
Os doestos que dos nulos têm de suportar
O mérito paciente, quem o sofreria,
Quando alcançasse a mais perfeita quitação
Com a ponta de um punhal? Quem levaria fardos,
Gemendo e suando sob a vida fatigante,
Se o receio de alguma coisa após a morte,
–Essa região desconhecida cujas raias
Jamais viajante algum atravessou de volta –
Não nos pusesse a voar para outros, não sabidos?
O pensamento assim nos acovarda, e assim
É que se cobre a tez normal da decisão
Com o tom pálido e enfermo da melancolia;
E desde que nos prendam tais cogitações,
Empresas de alto escopo e que bem alto planam
Desviam-se de rumo e cessam até mesmo
De se chamar ação.[...]2
Voltar a olhar para dentro de si, estabelecendo os próprios limites e escolhas, é sempre a ruptura necessária para quem pretende sobreviver as grandes metamorfoses do mundo. Isso serve para príncipes e plebeus.



1 Uma revolução industrial é caracterizada por mudanças abruptas e radicais, motivadas pela incorporação de tecnologias, tendo desdobramentos nos âmbitos econômico, social e político. Há um consenso sobre a ocorrência de três revoluções industriais. A primeira deu-se entre 1760 e 1840, movida por tecnologias como máquinas a vapor e linhas férreas. A segunda deu-se entre o final do século XIX e início do século XX, tendo como principais inovações a eletricidade, a linha de montagem e a difusão da produção em massa. A terceira, que se iniciou na década de 1960, rompeu com paradigmas por meio do desenvolvimento de semicondutores e tecnologias como mainframes, computadores pessoais e, mais tarde, nos anos 1990, a internet. Porém, com um grande desenvolvimento e difusão de algumas das tecnologias da terceira revolução industrial, assim como o advento e incorporação de outras tecnologias, autores têm sugerido que, no começo do século XXI, teríamos dado início a uma quarta revolução industrial. (TADEU; SANTOS, 2016, p.2) Disponível em: https://www.fdc.org.br/professoresepesquisa/nucleos/Documents/inovacao/digitalizacao/boletim_digitalizacao_fevereiro2016.pdf
2 Tradução de SILVA RAMOS, P. E. da. Hamlet Editora Abril, 1976.

Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: edSd (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.