Paralerepensar - Texto

Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Crônica
 
A mulher no poder - Luluzinhas versus Bolinhas
Por: Marlene A. Torrigo

O empoderamento feminino fortaleceu as mulheres e ampliou a igualdade de gêneros. Desde as primeiras Luluzinhas que ousaram desafiar os Clubes dos Bolinhas, elas tem arrasado, exercendo domínio em todas as áreas. Mulher pilotando avião, mulher astronauta, mulher com altas patentes nas Forças Armadas? Melhor é impossível.
A primeira advogada conhecida, Carphania, surgiu em Roma, por volta de 1200. A primeira médica, Elizabeth Blackwell, surgiu em 1849, nos EE.UU. A primeira advogada brasileira, Myrthes Gomes de Campos, surgiu em 1875. A primeira médica brasileira, Rita Lobato Freitas, formou-se em 1887. Das primeiras mulheres aceitas em universidades, poucas conseguiam bacharelar-se. O preconceito e o assédio que sofriam no mundo patriarcal eram tão acirrados que muitas desistiam do sonho.
As primeiras grandes profissionais foram bem aceitas nos seletivos e rudes Clubes dos Bolinhas? Evidentemente que não! Algumas foram até assassinadas, mas presentemente elas dominam. Pode-se afirmar que emparelham com os homens nos quesitos força e poder profissional.
Quais sãos vantagens e desvantagens da força feminina no mercado de trabalho atualmente? Comecemos analisando as diferenças entre a inteligência feminina e masculina, que é nenhuma. Mulher é inteligente tanto quanto homem, mas pode perder nas horas de importantes decisões. Pudera, o homem não carrega toda a polivalência das mulheres e suas preocupações várias: maternidade, casa, família, todas as tensões e frustrações do dia a dia. Tensionadas assim, hão de tomar decisões apressadas, erradas. Mas, homens no poder, não. Eles têm mais tempo para relaxar, pensar e repensar qual decisão melhor a tomar em qualquer pressão do trabalho, e acabam acertando mais.
A força do homem versus a força da mulher: mulher aplainando terrenos, mulher pedreira, mulher derrubando paredes; mulher mecânica, mulher motorista de ônibus, de carreta, de trem; mulher derrubando árvores, abrindo estradas, cobrindo asfalto; enfim, mulheres peso-pesado exercendo profissões antes restritas aos homens, nada mal! Contudo, se homens que pegam no pesado acabam sofrendo de DORT - Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho: doenças caracterizadas pelo desgaste de estruturas do sistema musculoesquelético que atingem várias categorias profissionais - imagine-se as mulheres! Elas até conseguem emparelhar com os homens no quesito força, mas na metade do percurso laboral à aposentadoria, lá estão elas, doridas, pedindo socorro médico.
Sigamos às personalidades Luluzinhas e Bolinhas em cargos de chefia. Bem, há chefes, chefinhos e chefões. Diferenciar um do outro é fácil, mas o dano maior dos três está no ego. Quanto maior o ego, maior o poder revestido em si. Se forem pessoas seletivas, não titubearão em infernizar um pobre subalterno, ainda mais se não simpatizarem com o “santo” do mesmo. Ai dele! Para tal chefe, mulher ou homem, não importará se o trabalhador precisa desesperadamente do emprego porque tem família para suster. Dispensá-lo é apenas questão de poder, de rudeza profissional.
Diz-se que o homem age com a cabeça, mulher com o coração. Discorde-se. Certas mulheres no poder tornam-se verdadeiras anacondas. Elas formam panelinhas, quadrilhas superpoderosas, capaz de derrubar Hércules. Vaidades, nada mais do que vaidades. Ainda bem que apesar dos contras, as mulheres caminham bem pelos caminhos espinhentos e floridos dos seus sonhos profissionais.

“Vários filmes ilustram o ápice profissional da mulher que ascende ao poder, à exemplo de A Dama de Ferro, a lendária Margareth Thatcher, a primeira mulher a ocupar o cargo de Primeiro-Ministro da Grã-Bretanha. Sua posse ocorreu em 1979 e perdurou por onze anos. Liderou com êxito a retomada frente a recessão econômica causada pela crise do petróleo no fim da década de 70, adotando medidas impopulares com o intuito da recuperação do país. O principal foco do filme está no conflito de seu país com a Argentina, conhecida e polêmica Guerra das Malvinas em 1982. Portanto, mesmo antes de obter a mais alta esfera britânica enfrentou vários preconceitos em um mundo até então dominado por homens.”


https://incrivel.club/inspiracao-mulher/essas-12-mulheres-extraordinarias-estavam-a-frente-de-seu-tempo-saiba-por-que-344310/
http://cinezencultural.com.br/site/2017/03/07/dia-da-mulher-15-filmes-sobre-empoderamento-feminino/





 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: THFZ (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.