Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 

 

 
Crônica
 
DIA DO TRABALHO
Por: Salvatore D' Onofrio

"Escolha um trabalho de que você goste
e não terá de trabalhar um único dia em sua vida” (Confúcio)
O termo trabalho tem por origem etimológica o substantivo latino "tripalium", um instrumento de tortura, composto de três paus entrelaçados. O sema do “sofrimento” evoluiu para o significado do “esforço”, que passou a predominar; mas sua relação com a dor está presente ainda hoje: falamos de “trabalho de parto”, por exemplo. Trabalhar, em geral, significa esforçar-se para obter algo, para exercer uma profissão ou desempenhar uma tarefa, que pode ser material, intelectual ou artística. Um dos primeiros documentos literários da cultura grega é o poema didático "Os trabalhos e os dias", de Hesíodo, que trata da relação profunda entre Trabalho e Justiça.
Em 1889, a Internacional Socialista de Bruxelas proclamou o 1º de maio como dia internacional para reivindicar melhores condições de trabalho, em homenagem à data das lutas sindicais de Chicago, exigindo a jornada de oito horas. Sucessivamente, o dia do trabalhador foi institucionalizado na França, na Rússia e em outros países. Finalmente, a Assembleia Geral das Nações Unidas, em 1948, emitiu a Declaração Universal dos Direitos Humanos, cujo artigo 23 reza: “Toda pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha, a condições eqüitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção contra o desemprego”.
O trabalho, portanto, é dever e direito do homem. Um dever porque cada qual, numa sociedade livre, tem que prover ao seu sustento, não sendo justo que uma pessoa adulta e sadia viva a custa do trabalho de outro. Esta é uma prescrição que se encontra nas Sagradas Escrituras de todas as religiões e nos costumes de qualquer povo, primitivo ou civilizado, pois fundamentada na lei natural do plantio e da colheita. Ninguém pode reclamar de direitos, se não cumprir seus deveres.
Mas, como um cidadão pode cumprir seu dever se não tiver oportunidade de trabalho por falta de emprego? Tem que se entender que o emprego não é um luxo, mas uma necessidade de responsabilidade do poder público. O desempregado não amparado pelo Estado é propenso ao furto, à violência, à prostituição, ao tráfego de drogas, ao crime, enfim. O homem que não consegue suprir suas necessidades de sobrevivência pelo trabalho acaba apelando para meios ilícitos, como contrabando ou terrorismo.
Culpado pelo desemprego não é apenas o Estado, mas também a Família, como instituição social. É preciso educar as crianças, desde a escola materna, preparando-as para uma profissão de acordo com tendências naturais e oportunidades, de forma que, quando adultas, não dependam mais dos pais ou da esmola pública. Essa é uma questão de cidadania e, sobretudo, de cultura. Geralmente, o que provoca o desemprego é a falta de planejamento familiar, colocando no mundo seres humanos sem condições de dar-lhes assistência e educação.
Mais ainda, o trabalho deve ser visto como a melhor forma de terapia contra qualquer tipo de distúrbio mental. Manter-se ocupado é a melhor forma de evitar a prática de vícios. O filósofo grego Aristóteles, em consonância com o sábio chinês citado na epígrafe deste texto, dizia que “felicidade é ter o que fazer”. Não é outra a opinião de Leonardo da Vinci, cientista e artista da Renascença italiana, quando tece a seguinte comparação: “O ferro enferruja quando não é usado; as águas estagnadas perdem sua pureza e congelam no frio. Do mesmo modo, a ociosidade esgota a força da mente”. O maior mérito do povo anglo-saxônico é sua força de trabalho, herdada da ética luterana e calvinista, que considera a riqueza uma benção divina. Num livro didático de língua inglesa, lemos:
“Apenas no dicionário o sucesso (S) está antes do trabalho (T),
pois o caminho do êxito não tem elevador,
e nos obriga a subir árduos degraus de uma longa escada”!

--
Salvatore D' Onofrio
Dr. pela USP e Professor Titular pela UNESP
Autor do Dicionário de Cultura Básica (Publit)
Literatura Ocidental e Forma e Sentido do Texto Literário (Ática)
Pensar é preciso e Pesquisando (Editorama)
www.salvatoredonofrio.com.br
http://pt.wikisource.org/wiki/Autor:Salvatore_D%E2%80%99_Onofrio

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: FTNG (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.