Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 

 

José-Augusto de Carvalho
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Prosa
 
NA PALAVRA É QUE VOU... `A fisga
Por: José-Augusto de Carvalho


O Lourenço jogava ao berlinde e ao pião, como todos os rapazinhos da sua idade, mas não usava fisga. Um dia, quando regressavam da Feira anual, um seu colega de Escola, o Anastácio, quis saber:
--- Lourenço, por que não usas fisga?
A resposta foi seca:
--- Não uso porque não quero.
Anastácio não aceitando a resposta como esclarecedora, insistiu provocante:
--- Tu não sabes atirar, é por isso que não tens uma fisga.
Lourenço olhou interrogativamente o colega e precisou:
--- Eu não disse que não tenho uma fisga, eu disse que não uso fisga.
Anastácio ficou calado, perplexo. E Lourenço, friamente, clarificou:
--- Tu perguntaste por que não uso fisga e não se eu tenho uma fisga.
Anastácio compreendendo o ardil em que caíra, tentou sair dele com um desafio:
--- Se tens fisga, sabes atirar como nós sabemos…
Lourenço acenou que sim com um movimento de cabeça.
Nesta altura da conversa todos pararam na expectativa do que se adivinhava. E o que se adivinhava chegou quando Anastácio lançou o repto:
--- Se sabes atirar, vamos ver qual de nós dois tem melhor pontaria.
Lourenço encolheu os ombros, com indiferença.
Anastácio concretizou o repto:
--- À melhor de cinco fisgadas. Quem perder tem direito a desforra. Se houver empate, uma terceira série de cinco fisgadas decide o vencedor.
Todos concordaram à excepção de Lourenço que de novo encolheu os ombros num sinal evidente de indiferença.
Foi fácil a escolha de um alvo --- uma rolha de cortiça colocada numa das muitas fendas de um muro não rebocado de uma horta. Os atiradores alvejariam a rolha a vinte passos de distância.
Lourenço propôs usar a fisga de Anastácio para ficarem ambos em total igualdade. A proposta foi aceite. Por sorteio, Anastácio seria o primeiro a alvejar a rolha.
Pouco demorou a recolha de projécteis, pequenas pedras escolhidas no chão, arredondadas e de dimensão um pouco inferior â de um berlinde.
Anastácio era conhecido de todos como um bom atirador de fisga; Lourenço era para eles um grande ponto de interrogação; não tinham memória de o ter visto com uma fisga na mão.
Anastácio cumpriu a primeira série de cinco fisgadas. Acertou quatro vezes. Era um bom resultado.
Todos os olhares se concentraram curiosos em Lourenço. Que iria suceder?
Lourenço acertou as primeiras quatro fisgadas e olhando fixamente Anastácio disse:
--- Pronto, empatámos.
Surpreendidos, todos disseram:
--- Lourenço, ainda te falta uma fisgada…
Lourenço encolheu os ombros e justificou:
--- Pode ser, mas eu devo errar a rolha, não vale a pena arriscar. Está bom assim, empatámos.
Anastácio ficou apreensivo. Afinal, Lourenço o surpreendera. Era um bom atirador de fisga e agora até recusava a possibilidade de vencer; mas a sua ânsia de superação prevaleceu e aprestou-se para a segunda série de fisgadas.
Uma dúvida assaltou os demais colegas: seria que Lourenço não queria perder mas também não queria ganhar para não desgostar Anastácio?
Os dois atiradores ocuparam os seus lugares para a segunda série de fisgadas.
Anastácio repetiu o resultado. Errou de novo a primeira fisgada e acertou as quatro restantes.
Havia ansiedade evidente em Anastácio e um mal-estar contido nos demais.
Lourenço atirou certeiramente quatro vezes e entregou a fisga a Anastácio.
--- Toma lá a tua fisga. Já chega de fisgadas, ficámos empatados.
Todos ficaram calados, excepto Anastácio, que protestou:
--- Quem desiste, perde!
Calados, os colegas adivinhavam situação desagradável. Lourenço sossegou-os ao se dirigir ao adversário com um sorriso:
--- Está bem, Anastácio, tu ganhaste, és um bom atirador. Podes levar a taça.

*
José-Augusto de Carvalho
Alentejo, 24 de Março de 2018.

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: CKeZ (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.