A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco | CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 
Jornalismo
 
Amor e Ódio – o que guarda o poder das palavras
Por: ALESSANDRA LELES ROCHA




Palavras não são ditas a esmo. Por detrás de cada uma delas há, inevitavelmente, uma intenção. O importante é que se possa manifestá-las, pois foi para esse fim que viemos – nós, seres humanos - dotados da capacidade intelectual e cognitiva. Entre concordâncias e divergências, as palavras vêm sintetizando a nossa evolução histórica, científica, tecnológica,... Humanística.
E, sem grandes esforços, esse processo natural das palavras formalizou caminhos imprescindíveis para o desenvolvimento das relações sociais, a partir da consolidação dos meios de comunicação e da profissão jornalística. Aliás, o que seria de nós, sem a mídia a nos informar sobre o que acontece além das fronteiras de nosso próprio quintal, não é mesmo? Longe da onipresença e onisciência, que tantos gostariam de ter, nossa capacidade de saber o que acontece aqui, ali e acolá, no exato instante, é limitada. Então, cabe a essas pessoas nos satisfazerem a curiosidade.
Ora, mas se entre nós e a notícia há um ou mais intermediários é óbvio que as palavras virão traduzir o discurso de quem estava diante do acontecimento. Portanto, esses olhos e percepções são sempre singulares. Além disso, mesmo os profissionais independentes de imprensa, no frigir dos ovos, acabam subordinados as linhas editoriais das empresas que contratam seus trabalhos. Nesse caso, mais um crivo interpretativo que incide anteriormente aos olhos do cidadão comum.
No entanto, mesmo existindo um movimento, uma intenção, as palavras e as ideias que representam não perdem o seu valor informativo. Daquilo que recebemos é dever de cada um o exercício de uma nova reflexão e interpretação crítica; inclusive, porque esse é o caminho de construção de nossa própria cidadania.
Mas, ao contrário disso, o ofício da informação pública tem sido ameaçado, por conta da incapacidade de muitas pessoas em lidar com a divergência ou a discordância de opiniões. O que durante muito tempo foi atribuído aos regimes ditatoriais e de extremo radicalismo, hoje se vê, em plena luz do dia, acontecer em terras ditas democráticas e tolerantes.
Não é à toa, a preocupação constante da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a crescente onda de violência que tem se abatido sobre os jornalistas ao redor do mundo. Contudo, além da violência tipificada pelas práticas excessivas de agentes subordinados ao poder público, há, também, uma violência subliminar (não menos radical) que tem se propagado entre cidadãos comuns que se opõem ao trabalho jornalístico.
Movidas pelas paixões ideológicas manifestas à flor da pele, esses indivíduos se colocam na posição intransigente de não aceitar outros discursos que diferem dos seus; como se apregoassem a existência de uma única verdade a ser dita e aceita pela coletividade. Na fúria da sua contestação, eles chegam a se esquecer de que “é livre a manifestação de pensamento, sendo vedado o anonimato” 1, bem como, “é livre a expressão de atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença” 2 e, se deve respeitar o outro, na medida em que, “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação” 3.
Sabe, o ser humano é mesmo interessante. Na hora de apontar o dedo em riste para o radicalismo que se exaspera mundo afora contra os meios de comunicação, ninguém mede esforços; mas, logo em seguida, comunga de práticas semelhantes no âmbito da própria geografia, sem o menor pudor. Só que a intolerância é intolerância em qualquer lugar ou situação, porque não há como ranquear uma ação que fere diretamente o ser humano, seja física, psicológica ou moralmente.
Além disso, também é parte do coletivo humano ter sempre alguém na contramão, torcendo pelo “quanto pior melhor”. Então, essas manifestações extremistas de intolerância servem como combustível bastante inflamável para desenvolver situações que podem eventualmente não acabar de maneira pacífica.
Naturalmente, a realidade brasileira não está favorecendo uma convivência equilibrada, diante de uma crise social e econômica sem precedentes que tenciona de forma drástica o cotidiano dos cidadãos. Por isso, qualquer traço potencial de conflito deveria ser evitado, inclusive como gesto de profunda consciência cidadã. Ser cidadão é manifestar ideias e não, sair por aí, distribuindo intolerância e violência por onde passa, porque isso não constrói absolutamente nada.
Aos que andam enceguecidos pelos descaminhos da anticidadania, destilando ódio e intolerância, “a manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto na Constituição” 4. Portanto, talvez, seja esse o momento de se informar um pouco mais, começando pelas próprias leis que regem o seu país.


1 Inciso IV, do art. 5º, da Constituição Federal de 1988.
2 Inciso IX, do art. 5º, da Constituição Federal de 1988.
3 Inciso X, do art. 5º, da Constituição Federal de 1988.
4 Art. 220, da Constituição Federal de 1988.

Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: dLWD (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.