Paralerepensar - Texto

Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 

 

Demétrio Pereira Sena
Publicações
Perfil
Comente este texto

 
Ensaio
 
VIDA REAL
Por: Demétrio Pereira Sena

Quando a gente se priva em demasia, fecha os olhos e prende a voz; tampa os tímpanos e priva todos os sentidos e sensações que a vida oferece, logicamente com os seus efeitos colaterais... mas que não fazem deixar de valer a pena viver. Privacidade além da medida faz perder a magia dos valores que circulam pra lá desse medo insano e da solidão que a gente afaga por auto paixão doentia.
Com o tempo, a gente se perde nessa caverna dos estados mais ocos das entranhas vencidas pela treva. Das estranhas verdades tão só da gente, que não há quem possa entender e penetrar. Só a sensação do nada ou do vazio. Esse abismo que habita o chão e se desfaz aos pés descalços de qualquer vontade que não seja dormir pra tudo. Dormir pra sempre. Dormir pra nunca mais.
Mas quando a gente percebe que ninguém nasceu pra ostra ou apenas para o de vez em quando de alguma tentativa pontual de fugir da gente mesmo entre lugares e pessoas estranhas, outro cenário se desenha em derredor. Outra mente se apossa da cabeça e os sentidos renovados vêm retomar o vazio substituto do coração. É aí que se volta para o mundo e se reconcilia com a vida.
No ato em que a gente se lança e se publica, só estabelecendo critérios razoáveis, livres de qualquer patologia, o sentido de quem se é toma corpo. O próprio corpo se assume corpo e a gente já não é surreal. Torna-se alguém com invólucro para guardar a essência não mais espalhada no caos do cosmo. É na rotina da vida real que a gente voa e vê que tudo vale a pena... e o mundo é bom.

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: ZaLE (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.