Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 

E-mail:
Senha
       
        Cadastre-se
Esqueci minha senha
Homepage
Pensadores
Lazer e informação
Citações
Textos Fantásticos
Poemando
Provérbios
Estatuto do poeta
Peão diz cada uma!
Bíblicos
Contos e poemas de Natal
Básico de violão
Livrarias
Informática
Artes
Jornais
Revistas
Música
Televisão
Infantil

MUSIPOEMA

MUSIPOEMA
A HISTÓRIA DO ROCK IN ROLL
SER MÃE
AMIGO É...
AMAR É...
 

 

Busca

 
 
 

 

 
Resenha
 
AVALIAÇÃO/PARECER SOBRE LIVRO/AUTOR
Por: Tolentino e Silva

AVALIAÇÃO/PARECER SOBRE LIVRO/AUTOR

Título: Santa Injustiça
Autor: Wellington Paulo
Tema: Religião

Sobre o autor

O autor é professor de Língua Portuguesa e músico, residente em Governador Valadares. Demonstra dominar não só a aplicação da língua portuguesa, mas também o tema escolhido (religião).

Sobre a obra

Neste livro o autor discorre sobre o comportamento de parte dos cristãos quanto à opinião acerca daquela ensinada pelos líderes da igreja.

A princípio, para um cristão como eu, é estranho ler ou ouvir de alguém que Deus tenha sido injusto com o ser humano, seja qual for a sua crença, raça ou posição social. Trata-se de um tema polêmico que gera discussão e até discórdia. Cheguei a pensar, julgar e igualar sua obra (pensamento), às obras do biólogo e escritor britânico Richard Dawkins, eleito um dos três intelectuais mais importantes do mundo, ao lado de Umberto Eco e Noam Chomsky, pela revista inglesa Prospect. Em seu livro “Deus, um delírio”, Richard concentra exclusivamente no assunto em seu intelecto afiado e mostra como a religião alimenta a guerra, fomenta o fanatismo e doutrina as crianças. Seu objetivo principal é os religiosos convictos, principalmente provocar os que são religiosos "por inércia", (sem ação, sem atividade), levando-os a pensar racionalmente e trocar sua "crença" pelo "orgulho ateu" e pela ciência, ou seja, ele prega o ateísmo (doutrina ou atitude de espírito que nega categoricamente a existência de Deus). Porém, a curiosidade chega ao fim a partir do capítulo 11. Até então o leitor se enche de dúvidas e questionamentos. Essa curiosidade faz com que o leitor prossiga a leitura. É como se o autor o convidasse a continuar virando páginas. A partir do capítulo 12, o leitor se sente aliviado com as justificativas convincentes dadas pelo autor.

Wellington explora situações em que Deus utiliza personagens bíblicos como seus discípulos para que, de certa forma, O substituam para conduzir e salvar o Seu povo. Os “injustiçados”, dentre outros são: Abraão (Deus testa sua lealdade e seu amor, ordenando-o que sacrifique Isaac, seu único filho, concebido na velhice). Jacó (foi enganado pelos próprios filhos, que por inveja, venderam o irmão José e esse, antes de se tornar o homem de confiança do faraó, foi humilhado e escravizado. Moisés (após anos de sofrimento, Deus o impediu de entrar em Canaã, a terra por Ele prometida). Adão, induzido pela mulher Eva foi expulso do paraíso. Quem pecou foi Eva, no entanto Adão pagou pelo erro da companheira).


Às vezes um pouco de dor serve de lembrete e nos leva à reflexão, para corrigirmos nossos erros.
(Tolentino e Silva)


Geraldo Tolentino e Silva
12/04/2016
Academia Valadarense de letras -AVL
Cadeira 18

 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: IHfW (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.