Paralerepensar - Texto

Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

 
Resenha
 
Santa Brígida, O Belo Romance Agreste do Jornalista e Escritor HUMBERTO MESQUITA
Por: Silas Correa Leite

Breve Resenha Crítica

“Santa Brígida” de Humberto Mesquita, um Belo Romance de Amor e Devoção no Agreste

Humberto Mesquita
Humberto Mesquita tem um currículo vivencial e tanto. Fora de série. Nasceu em Campina Grande, Paraíba, estudou no Liceu Paraibano, em João Pessoa capital. Com 16 anos era repórter esportivo da Rádio Arapuan. Um ano depois era redator na Sport Press e na Rádio Tupi, no Rio. Foi redator da Rádio Bandeirantes de SP. Na TV Excelsior de SP foi chefe de Reportagem do telejornalismo e produtor do programa “Advogado do Diabo”, apresentado por Osvaldo Sargentelli. Na famosa “Revista Realidade” escreveu artigos e reportagens principalmente sobre o cangaço. Nos Diários e Emissoras Associados foi diretor de Redação das rádios Tupi e Difusora, e dirigiu o rádio jornalismo, apresentando, na TV, juntamente com Almir Guimarães, o programa “Pinga Fogo”. Participou da antológica revista “O Cruzeiro”. Na TV Bandeirantes foi chefe de Reportagem dos “Titulares da Notícia” e apresentador do programa de debates “Xeque Mate”, além de editor-chefe do SBT - Sistema Brasileiro de Televisão, onde apresentou igualmente o programa “Isto é Brasil”. Foi o autor de intrépida pergunta ao ditador Figueiredo que retrucou: “Abro e quem não quiser que eu abra, eu prendo e arrebento”. Em 1987 entrevistou Fidel Castro em Cuba.
Só esse breve introdutório de currículo e ainda em resumo, já nos apresenta HUMBERTO MESQUITA como um dos maiores e melhores jornalistas do Brasil de todos os tempos, de têmpera forte, ético, humanista, determinado e turrão em prol da legalidade, da democracia social, da justiça para todos, de uma mídia sarada, da ética para um Brasil em que, a partir do chamado fim das utopias, contesta o cínico estado mínimo neoliberal e suas terceirizações inumanas e o próprio neoescravismo, para que possamos assim pelo menos sonhar um humanismo de resultados de um Brasil de justiça social inclusiva, já que o poder que emana do povo em seu nome deve ser exercido.
Santa Brígida, a obra
Ao visitar Santa Brígida, a cidade onde nasceu e viveu Maria Bonita, companheira de Virgulino Ferreira, o Lampião, o jornalista e repórter de faro fino conheceu o personagem do seu livro, que é um romance num misto de ficção e realidade, e cujo enredo foca a infância e a juventude de Paulo Calixto que viveu na mesma cidade onde o autor morou, no Engenho Gavião, na cidade de Alagoa Grande, Paraíba. O personagem central depois de uma desilusão amorosa de meio e origem, o primeiro amor, torna-se por circunstancias de percursos um caixeiro viajante, e em uma toleima, uma rixa, briga e mata um devedor. A partir disso, consciência pesada, um filho de Deus sem eira nem beira então, errante foge e peregrina pelas áreas pobres de vidas secas e agrestes das matas do Nordeste, tentando se penitenciar de algum modo pelo crime, chegando finalmente (pelas mãos de Deus?) a Santa Brígida, onde é então entendido como um santo, e assim acolhido faz moradia e roçado de permanência com implicações e mudanças. Daí que a história se desenvolve, num novelo que faz do personagem, medida as proporções de levante, meio, e agregados, uma espécie assim de Antonio Conselheiro local, um homem enviado por Deus aos confins de um deus-dará, onde o judas perdeu as alpercatas...
“Santa Brígida”, aliás, na opinião do autor, foca o cenário nordestino cheio de contradições. Descreve o cangaço, um movimento que resistiu às forças policiais durante mais de vinte anos e que teve em Lampião sua grande figura. O romance assim tem sob prisma o universo cultural da região nordestina, quando descreve o funcionamento de um engenho de cana de açúcar, onde seu personagem (um mascate) viveu a infância e a juventude, as feiras e a incipiente agricultura da região.
Romance jornalístico? Romance documentário? Entre o romantismo e a realidade, o romance que é em tese uma obra literária que apresenta narrativa em prosa, com fatos criados, inventariados ou relacionados a personagens, que vivem diferentes conflitos ou situações dramáticas, numa sequência de tempo relativamente ampla, portanto, no caso do autor, um romance com algo realista e ainda regional, por assim dizer. Se literatura enquanto manifestação artística funde-se na arte de recriar a realidade a partir da visão de determinado autor, o artista, com base em seus sentimentos, seus pontos de vista e suas técnicas narrativas, Humberto Mesquita criou um livro que aflora um tempo, um povo, um lugar, e deu-nos um clássico contemporâneo de narrativa densa e cativante.
Finalizando, com a qualidade literocultural e o quilate de jornalista de primeiro time, Humberto Mesquita conta com maestria o historial todo, somando ainda uma história de amor impossível, depois a busca em torno de um lugar ao sol, um sinal redentor, e assim a narrativa fluente fica num enfoque gostoso tipo um jeito peculiar de contar causos, entra em ramos do folclore, cai na graça de um milagre e o amor, e suas demandas, desnaturezas, ah o amor, sempre ornando tudo, o amor a terra-mãe, moendas e engenhos, secas e agruras, raiz de todos nós, passando por caminhos, trilhas, amarras, andanças e lonjuras, cisternas e perguntamentos, mais a mão do criador, o real e o numinoso, e termina tudo meio a la Romeu e Julieta tupiniquim só que invertido, sem perfumes nem venenos, quando o amor sempre vence no final, mas não o amor telúrico, mas um amor que nem sempre a ficção ou mesmo a realidade explicam, mas o coração do homem curte, fermenta, enreda, evoca – “almai”-vos uns aos outros, está escrito? - salpica de estrelas, sonhos e lágrimas, corações, mentes e veredas, chãos, e dá nisso: um livro pra gente aguçar sentidos e crer no milagre da vida, no milagre do amor, no milagre do reencontro, já que também na casa da ficção há muitas moradas...
-0-
BOX
Santa Brígida, Romance, 2009
Editora Ibrasa, SP
www.ibrasa.com.br
E-mail: ibrasa@ibrasa.com.br
-0-
Silas Correa Leite
Jornalista Comunitário, Professor, Escritor membro da UBE-União Brasileira de Escritores
E-mail: poesilas@terra.com.br - Site: www.artistasdeitarare.blogspot.com/
Autor, entre outros de GUTE GUTE, Barriga Experimental de Repertorio, Romance, Editora Autografia, RJ, 2015













 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: dONO (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.