Seleção de Livros! Clique e confira.

A casa dos grandes pensadores

Bem-vindo ao site dos pensadores!!!

| Principal |  Autores | Construtor |Textos | Fale conosco CadastroBusca no site |Termos de uso | Ajuda |
 
 
 

 

Luiz Carlos Santos Lopes
Publicações
Perfil
Comente este texto
 
Resenha
 
Mulher de Roxo
Por: Luiz Carlos Santos Lopes

Luiz Carlos Santos Lopes
Patrícia Sá Moura, uma paulistana que mora em Salvador há muito tempo, por isso já é uma “soteropaulistana”, formada em jornalismo em 1992 pela Faculdade Casper Líbero (SP), escreveu a obra MULHER DE ROXO - Retrato de um Mito, um livro ao qual me prendi desde o começo e só acabei quando acabou. Mais páginas houvesse, eu as leria com voracidade. Escrito com uma linguagem acessível a qualquer leitor, o livro revela a vida da mulher de roxo, uma personagem mítica, estranha, misteriosa, que simbolizou um tempo, uma época, o dia-a-dia das ruas centrais de Salvador nas décadas de 1950 a 1990. Como diz a autora, era “uma princesa-rainha” que não deixou “rastros da verdadeira identidade” o que, em minha opinião, foi ótimo. Assim, o mistério em torno da sua vida permanece. Patrícia, com maestria, conduz a narrativa dando-lhe um toque mítico, de modo que quem lê o livro devora suas páginas à procura das origens dessa dama errante, sem encontrá-las. Mas, o que importa saber a procedência dessa estranha mulher, se nem ela própria sabia? O que importa mesmo é que ela agora tem seu lugar assegurado na história de Salvador; ninguém mais vai tirar. Graças ao painel de Carlos Bastos na Assembleia Legislativa do Estado da Bahia, e ao livro de Patrícia.
Parafraseando Afrânio Coutinho, se a literatura é uma arte, a arte da palavra, o livro “Mulher de Roxo” comprova tal enunciado, porque a sua leitura desperta em qualquer leitor um tipo especial de prazer: o sentimento estético. Eu, por exemplo, fui levado a uma bela e emocionante viagem ao passado através da leitura dessa obra fantástica. Revi as imagens tranquilas de outrora, senti de novo aquela gostosa sensação de intimidade, lazer e cumplicidade que Salvador daqueles tempos proporcionava, quando era possível caminhar despreocupadamente pelas ruas da velha capital baiana, andar pelos becos estreitos, subir e descer as ladeiras íngremes, vadiar nos bordeis, ir aos cinemas e a tantos outros lugares que frequentei na juventude! Quanta saudade dos memoráveis cinemas Excelsior, Pax, Jandaia, Tupy, Guarany... Como foi bom sentir de novo o clima desta terra que tanto amo, sentir a brisa do mar, fazer parte desta gente...
Tenho certeza que outros leitores, sobretudo aqueles que, como eu, viram a mulher de roxo vagando sem destino pelas ruas centrais da nossa cidade, terão a mesma sensação que eu ao se depararem com os motivos que levaram Patrícia a escrever esse livro. Um trabalho que, entre tantos valores, pode ser usado, não só como ferramenta de consulta para quem quiser pesquisar a história da gente da Bahia, mas também como um guia turístico. Sim, uma valiosa fonte de informação para aquele tipo de turista a que Maria de Lourdes Netto Simões se refere como “turista-leitor”. Esse turista, diz ela, é a pessoa que traz consigo a curiosidade de conhecer a cidade que está visitando pela primeira vez na esperança de ali fazer compras, ou, simplesmente, conhecer as pessoas do lugar, sem medo, já que o dia-a-dia dos grandes centros, em sua opinião, tornou-se sinônimo de insegurança e violência. Daí a importância para o leitor, turista ou não, ler esse livro para ver de perto, ao vivo e em cores, os lugares e as pessoas descritas em suas páginas.
E Afrânio Coutinho vai além. Para ele, “a verdade estética – desde Aristóteles que se sabe – é diversa da verdade histórica. O artista literário cria e recria um mundo de verdades que não são mensuráveis pelos mesmos padrões das verdades fatuais”. O livro “Mulher de Roxo” sustenta tal exposição. Para escrevê-lo, Patrícia partiu de um fato real da vida, embora muitos acontecimentos jamais tivessem existido na vida da personagem principal como revelados no livro. Eles simplesmente foram usados como ponto de partida para a autora recriar a realidade através do seu espírito artístico, como uma grande escritora que é. Parabéns, Pat. Estou muito orgulhoso de ser seu amigo, seu colega, e agora, acima de tudo, seu fã.

Jornalista, FENAJDRT nº 2.482/ Salvador-Ba.

O livro está agora na sua 4ª edição, e pode ser adquirido diretamente com a autora
pelo e-mail pasmoura23@gmail.com
ou no site da editora Livro.com (http://www.editoralivro.com/livro_interno.php?prod_codigo=172)


 Comente este texto

 

Comentário (0)

Deixe um comentário

Seu nome (obrigatório) (mínimo 3, máximo 255 caracteres) (checked.gif Lembrar)
Seu email (obrigatório) ( não será publicado)
Seu comentário (obrigatório) (mínimo 3, máximo 5000 caracteres)
 
Insira abaixo as letras que aparecem ao lado: VVcC (obrigatório e sensível. Utilize letras maiúsculas e minúsculas;)
 
Não envie mensagem ofensiva e procure manter um intercâmbio saudável com o seu correspondente, que com certeza busca dar o melhor de si naquilo que faz.
Seu IP será enviado junto com a mensagem.