A casa dos grandes pensadores
 

ALBERTINO FERNANDES NETO

 

 

 

RISO
 
Caçoas de mim e sei, enfim não lembras,
Que minhas lágrimas aplacaram 
A sede das flores que me jogastes,
E são água da cânfora onde bebes.
 
Me escusas, após saber meus segredos,
A mansidão do meu ser solitário,
E me foges desgastando a ilusão,
O carinho que exalava encantado.
 
Me escondes a face, tua áurea
Em mim permanece assim,
E ao constante adeus esqueces,
Do eu amante discreto, árido, sequioso, enfim.
 
Tuas lembranças, tão simples desejos
Não deram tempo ao fim do adeus,
E sem tempo, luxúria ou distância,
Sei sim, os amores apenas são meus.

Albertino Fernandes (Pensa-me)

www.paralerepensar.com.br