A casa dos grandes pensadores
 

ALBERTINO FERNANDES NETO

 

 

 

POSSUIR 
 
Luto a luta que por mim se abate
Freio o tempo que me lança em alcovas
O peito premido malgrado essas dores
Minando outra noite em tempos de trova
 
Surgindo molhado, partindo inclemente
Varando a mundos obscuros deveras
Galgando caminhos ocultos talvez
Leve qual puma veloz qual gazela
 
Tendo em mente apenas tua alma
Buscar teu semblante adivinhar o teu ser
Ver-te em faróis a brilhar os teus olhos
Tentar entre a carne o buscar do prazer
 
Escolher esta forma a fundir em domínio
Encharcar de afagos este teu corpo mordaz
Devorar-te os sonhos imaginá-los reais
Encilhar-te qual besta cavalgar-te tenaz
 
Albertino Fernandes ( Pensa-me)
 
www.paralerepensar.com.br