Agonia
     

A casa dos grandes pensadores
 

ALBERTINO FERNANDES NETO

 

 

 

 

 
Tem fé irmão
E teu esforço não será em vão
Como não será em vão
O suor que agora derramas
Em teu solo querido
Este chão
 
Tuas faces hão de libertar-se
De tamanha ditadura
E em tuas preces
Não repetirás
Cândidas lamúrias
 
Estas tuas mãos que ora salpicam
Sangue-rubro-sangue
Levantarão com orgulho
Teus filhos como tu
Sertanejo exangue
 
Lavra a tua áspera terra
Sem nunca esquecer
Que a brutal semeadura
Fora deitada por mandarins
Em sua malfadada loucura
 
Em tuas mãos a calosidade
Duma desgraçada vida
De mal contida esperança
E teu coração guardado
Em couraça de peles e ossos
Pulsa muito, muito pouco
Artífice incólume
Jardineiro louco
 
É triste muito triste irmão
Ver o leito de rio
Por onde descia caudaloso manancial
Transformado agora
Em leito de recordações
E sombrias lembranças
 
Em carne viva os teus pés
Pisam mansamente este chão agreste
Pois já não tens força
Para assentar com mais vibração
Teu corpo cansado e esvaído
à míngua servidão
 
Albertino Fernandes (Pensa-me)

 www.paralerepensar.com.br